Como sair da crise com planejamento financeiro?

Por Diana Dantas


Uma das palavras da moda é a resiliência. O termo significa a capacidade de um objeto deformado voltar ao seu molde original. Para exemplificar, imagine uma cama elástica e uma massinha de modelar. Qual é a primeira que retorna ao estado inicial depois de deformada? A cama elástica, certo? Portanto, ela é mais resiliente.  

A crise econômica colocou a palavra em pauta, também no segmento financeiro, para nos ensinar que é preciso sermos resilientes quando enfrentamos um problema grave como o desemprego. Segundo um estudo do  Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE), no segundo trimestre de 2019,  a taxa de desemprego estava em 12%. Ou seja, 12% da população precisa aprender esse significado. Mas é uma lição difícil.

Não há uma maneira simples de enfrentar esse período, principalmente, para quem tem contas e responsabilidades assumidas. Será um momento de sacrifício. Existem, no entanto, pessoas que conseguem passar pela crise de forma melhor que outras, isso acontece pois aprenderam a se planejar.

Para aprender como sair de uma crise financeira com um planejamento, acompanhe o texto abaixo! 

Dicas de como sair de uma crise financeira

Quando estamos em crise, seja financeira ou de outro tipo, temos que pensar racionalmente. As dicas de como sair de uma crise financeira não são as mais fáceis de serem seguidas, porém, com um pouco mais de disciplina e força de vontade todos que quiserem, vão conseguir passar por esse momento delicado.

Leia a seguir, algumas dicas para te ajudar na hora que passar por uma crise financeira.

Mude seu padrão de vida 

Muitas pessoas  se endividaram antes da crise econômica, que afetou a economia brasileira e, agora, se vêem sem emprego e sem saber como vão pagar as sua dívidas e despesas fixas. Para essas pessoas, o primeiro passo é, se tiverem uma quantia de dinheiro guardada, o importante é focar os esforços para quitar as dívidas.

É preciso entender que não se pode manter um padrão de vida que não existe mais. Muitos brasileiros estão acostumados a ostentar uma rotina que não cabe no orçamento, o que cria dívidas e um ciclo vicioso, em que não se consegue sair. Perceber que está na hora de viver a realidade pode ser muito duro, mas é necessário, caso o indivíduo queira melhorar de vida no longo prazo.

Depois de compreender a necessidade da mudança, a pessoa deve reunir a família para levantar todos os gastos da casa e descobrir, exatamente, o quanto a demissão de determinada pessoa pode afetar o orçamento familiar.  

Uma vez avaliado esse total, é preciso verificar o que é essencial para sobreviver, a chamada base zero. Ela deve incluir habitação, alimentação, contas como luz, água e gás. A TV a cabo é fundamental para viver? Não. Jantar fora no fim de semana? Nem pensar.

Confira abaixo, detalhadamente, o que é o orçamento base zero e como ele pode te ajudar nas dicas de como sair de uma crise financeira.

Tente implementar um Orçamento Base Zero

Implementar um orçamento é essencial nas dicas de como sair de uma crise financeira.

Para quem está focado em como sair de uma crise financeira, tem que pensar em suprir as despesas necessárias e cortar os gastos desnecessários, por isso, os esforços para sair dessa situação não são poucos. 

Visto isso, vamos falar sobre o que é e como funciona o orçamento base zero. Acompanhe!

O que é Orçamento Base Zero?

O Orçamento Base Zero é uma ferramenta utilizada estrategicamente, por muitas empresas, na hora de elaborar planejamento de orçamento para um período de tempo.

Ele é considerado um orçamento colaborativo, já que é recomendado que todos os gestores participem do planejamento para determinar o orçamento que será oferecido a cada uma das frentes, levando em conta as necessidades e planos estratégicos da empresa.

Contando que o ponto de partida será de uma base zero, ou seja, sem considerar as receitas, despesas, custos e investimentos da base histórica, que é o orçamento que leva em conta períodos anteriores.

A principal finalidade desse tipo de orçamento é a fácil visualização de gastos desnecessários e supérfluos, quando se utiliza essa ferramenta, o gestor precisa analisar todos as despesas e custos, de forma detalhada, o que acaba tornando possível investir em outras áreas que podem ter passado despercebidas.

Ainda não conseguiu sair da crise financeira? Mude seu cotidiano!

Na hora de sair de uma crise financeira, é essencial mudar a rotina!

A parte mais drástica vem, se depois dessa avaliação detalhada dos gastos,, ainda se considerar as despesas muito altas. Se você não conseguiu reduzir as depesas o tanto que era necessário, é  preciso cortar mais. Para continuar lendo sobre como sair de uma crise financeira acompanhe as demais dicas.

Considere desde  mudar  para bairros baratos ou para apartamentos menores, até trocar as crianças, se tiver filhos,  para uma escola mais acessível . Caso seja locatário, renegociar o aluguel, neste período de crise, também pode ser uma boa pedida. 

Hora, então, de renegociar as dívidas. Às vezes, pode ser até necessário pedir um empréstimo com juros mais baixos para quitar o primeiro.

No dia a dia, outra atitude que precisa ser tomada é a redução dos pequenos gastos. O cafezinho depois do almoço, o Uber baratinho naquele dia em que se estava com pressa, a coxinha do lanche. 

Todos esses valores somados no fim do mês equivalem àquela calça de R$ 200, que, sabiamente, você conseguiu evitar de  comprar. Aproveite esse dinheiro economizado para fazer investimento. Volte a guardar, mesmo que pouco.

Por fim, é importante arranjar um  trabalho. Nem que seja o  famoso “bico”. Mesmo que ele não seja na área de formação ou ainda não alcance o salário desejado. Qualquer renda é renda para quem está sem nenhuma. Talvez, seja possível até mesmo encontrar algo que traga algum aprendizado pessoal.

Apesar de crises serem comuns, a tendência é que  não durem  para sempre. Por isso, é preciso se reajustar o mais cedo possível, com a finalidade de quando o país melhorar, o indivíduo melhore junto. 

Uma vez que, você consiga se adequar à nova realidade e ao novo padrão de vida, a melhora virá com o tempo. E, quem sabe, a crise possa transformar o cidadão em uma pessoa melhor e mais madura. É na adversidade em que se cresce. 

Como sugerimos que você faça investimentos depois que conseguir seguir essas dicas de como sair de uma crise financeira e estiver com uma quantia sobrando, vamos deixar algumas informações sobre investimentos, para ser mais fácil de dar o primeiro passo. Acompanhe!

Mas, como fazer investimentos?

Pensando no futuro, investir é importante para não ficarmos sem proteção financeira. Com bons investimentos é possível conseguir um retorno financeiro que pode colaborar com o seu bem-estar de seus familiares em várias fases da vida.

Mesmo realizando uma aplicação simples, isso pode garantir uma maior segurança diante imprevistos e emergências, que são possíveis de surgir na vida de todo mundo.

Antes de investir, é essencial criar metas financeiras, ou seja, definir para que você está se esforçando para guardar dinheiro. Os objetivos podem ser diversos, alguns exemplos são: pagar a faculdade dos filhos, realizar uma viagem em família, viver uma aposentadoria tranquila, sem precisar trabalhar, etc.

Com os objetivos já traçados, é hora de avaliar qual é o seu perfil de investidor, ou seja, se é conservador, moderado ou agressivo, isso varia de acordo com o quanto de risco você está disposto a assumir.

Depois disso, está na hora de estudar sobre os tipos de investimentos e escolher um que faça sentido, sem parar de pensar no seu objetivo, perfil de investidor, nos riscos, e então, é só colocar tudo o que aprendeu em prática. 

Gostou de aprender como sair de uma crise financeira e como fazer investimentos? Quer aprender um pouco mais sobre investimentos? Clique aqui!

Publicado por Diana Dantas

Formada pela PUC-Rio, Diana Dantas passou por diferentes redações, como O Estado de S. Paulo, Agora SP (Grupo Folha) e Brasil Econômico (Grupo Ejesa). Nesse período, trabalhou nas editorias de Educação, Cidades, Cultura e Economia. Desde de 2017, escreve para Icatu sobre seguros e planejamento financeiro.

Deixe seu comentário