Consumo consciente: como alcançá-lo?

Por Diana Dantas

Você sabia que oneomania é o nome do transtorno do consumo compulsivo?

Apesar de ser apenas uma parcela pequena da população que sofre desse mal de forma aguda, boa parte das pessoas costuma ter alguns gastos considerados supérfluos em seu dia a dia. Seja em roupas, em restaurantes, no lanche da tarde, no bar ou, até mesmo, em uso excessivo de Uber.

O consumo pode ser muito bom, já que cria uma felicidade instantânea. Pequenos agrados podem  aliviar todo o estresse causado pelo cotidiano e, além disso, dão um maior ânimo para enfrentar os problemas rotineiros.

Apesar de terem uma função compensatória, essas despesas supérfluas também são capazes de drenar o salário. Quando somadas, podem fazer com que você passe do orçamento e podem também ser responsáveis por causar a constante falta de dinheiro – que, por sua vez, provoca estresse.

Tendo em vista a necessidade de um consumo consciente e que traga melhorias na vida de algumas pessoas, esse artigo tem como objetivo dar algumas dicas de como gastar menos, para que você evite que o consumo exacerbado domine o seu dia a dia, as suas finanças e o seu bem-estar. Confira abaixo!

Consumo consciente de dinheiro: precisamos desenvolver esse hábito!

O hábito do consumo consciente de dinheiro deve estar no radar de muitas famílias, atualmente. Esse termo é conhecido na área da sustentabilidade, mas também pode ser aplicado na financeira. Mães, pais e filhos devem colaborar entre si com as finanças da família e, por isso, é interessante desenvolver desde cedo o costume pelo consumo consciente.

Nesse sentido, quando os gastos realizados durante o mês são necessários para a manutenção do bem-estar, de forma realista e dentro das condições financeiras e do orçamento da família, são gastos provenientes de um consumo consciente.

Para que você compreenda melhor como praticá-lo e, claro, sem deixar de aproveitar os seus dias, vamos mostrar alguns passos de como começar a desenvolver esse consumo consciente de dinheiro. Veja abaixo! 

Dicas para um consumo consciente

O consumo consciente pode te ajudar a poupar dinheiro e a centralizar seus esforços naquilo que você realmente deseja.

Agora que você já compreende o que é consumir de forma prevenida e cuidadosa, vamos dar algumas dicas para de como gastar menos e trazer o gasto consciente para o seu dia a dia:

Comece gastando melhor

A regra de ouro do consumo consciente de dinheiro é gastar menos do que se ganha. Vale para as pessoas físicas, jurídicas e até governos. Mesmo no momento em que se faz uma compra a prazo, como a de um carro, de uma casa ou de qualquer outro produto parcelado, deve-se saber como pagar o valor mensal. Tudo precisa caber dentro da renda.

Analise suas reais necessidades

Para saber se uma compra está sendo feita de forma adequada e se você está a par do gasto consciente, antes de fechar qualquer negócio, pergunte-se: eu realmente necessito ou apenas quero?

Se for apenas  uma vontade passageira, não a faça. Ou se fizer, tente uma alternativa mais barata. Vamos a um exemplo:  você está com fome em um fim de tarde e está indo para sua casa depois de um dia de trabalho. Opte por comprar seus alimentos no mercado a gastar em algum restaurante mais caro.

Claro, ninguém precisa se tornar uma pessoa avarenta e o intuito do consumo consciente de dinheiro não é esse. Porém, se você deseja diminuir gastos, comece cortando os itens mais supérfluos:

1- Diminua a ida a bares ou restaurantes mais caros;

2- Evite comprar roupas apenas por estarem “em promoção”;

3- Opte por fazer uma caminhada, quando possível;

4- Evite ir às compras sem uma lista dos itens que precisa;

5- Opte por comprar aquilo que você realmente não tem e que seja importante.

Gaste, mas com cautela

A ideia de consumo consciente não deseja privar as pessoas de viverem suas vidas. Então, caso haja orçamento e não haja dívidas, o gasto pode ser feito, mas sempre com moderação.

Siga as dicas abaixo:

1- Anote seus gastos durante o mês, mesmo os mais supérfluos;

2- Sempre faça listas dos valores que entraram e saíram;

3- Opte por pagar suas contas no débito e evite dividir em parcelas;

4- Procure diminuir gastos através de um consumo consciente, mas não se prive de viver;

5- Busque alternativas aos programas mais caros nos fins de semana.

Além dessas dicas, para adquirir o hábito de consumo consciente de dinheiro é necessário fazer orçamentos. Na hora de comprar produtos mais caros, deve-se fazer um estudo rigoroso com a finalidade de constatar se a conta cabe no bolso. 

Compare lojas e preços para ver qual vale mais a pena e continue a se perguntar: “esse bem é necessário?” Tente evitar compras por impulso. Pense por alguns dias, antes de se decidir. Isso pode colaborar com você a entender como gastar menos.

Poupe sempre que puder

Outra dica essencial para o consumo consciente de dinheiro é poupar. Recomenda-se guardar ao menos 10% do salário assim que se recebe. Após cinco anos, a pessoa já vai ter conseguido economizar quatro meses de ordenado.

Já se conseguir poupar 20% da receita, depois do mesmo período de tempo, terá juntado o equivalente a sete meses. A princípio, pode parecer um sacrifício comprometer parte dos gastos. O esforço, contudo, compensa e antes do que se imagina, pois sempre há a possibilidade de surgir uma emergência.

O gasto consciente, além de te ensinar a poupar, colabora para que você possa ter um dinheiro a mais em casos de imprevistos. Então, se você deseja investir no seu futuro, analise a respeito da previdência privada ou do seguro de vida, por exemplo.

E então, gostou de entender um pouco mais sobre o consumo consciente de dinheiro? Lembre-se que qualquer pessoa pode poupar, principalmente se existe um objetivo futuro para essa economia.

Essas e outras dicas são encontradas no curso online e gratuito Como Consumir Conscientemente, oferecido pela Icatu Seguros e a Fundação Getúlio Vargas.

 As aulas explicam quando e como comprar a prazo de forma racional e ainda mostra os motivos pelos quais não se deve ficar no sentimento de felicidade na hora de consumir. Ser uma pessoa disciplinada com a vida financeira pode garantir mais alegria do que qualquer comprinha supérflua.     

Leia também sobre como alcançar de vez a educação financeira!

Publicado por Diana Dantas

Formada pela PUC-Rio, Diana Dantas passou por diferentes redações, como O Estado de S. Paulo, Agora SP (Grupo Folha) e Brasil Econômico (Grupo Ejesa). Nesse período, trabalhou nas editorias de Educação, Cidades, Cultura e Economia. Desde de 2017, escreve para Icatu sobre seguros e planejamento financeiro.

Deixe seu comentário