Educação financeira pessoal: como começar?

Por Paula Lopes

É muito provável que você tenha acessado este conteúdo motivado, principalmente, pela necessidade em estabelecer uma melhor relação com o seu dinheiro. 

Educação financeira pessoal é um tema que, de fato, nos induz a uma conexão imediata com as ciências exatas, um universo de planilhas, controle de gastos e contas a pagar. 

Saiba que seu raciocínio faz sentido, mas está incompleto se limitado ao que dissemos até aqui! Para começar, precisamos esclarecer que educação financeira é, acima de tudo, uma ciência humana, de sonhos, propósito, comportamento e de definições do que se quer da vida. 

Os valores mais importantes que irão te conduzir nessa jornada da educação financeira pessoal são suas prioridades e objetivos! Se você quer entender como esses dois universos se complementam e o que fazer para começar, acompanhe este artigo até o final! 

O que é educação financeira pessoal? 

Educação financeira pessoal envolve diversos aspectos do cotidiano, desde coisas mais básicas para sua saúde financeira como saber consumir conscientemente, utilizar o cartão de crédito de forma responsável até conhecimentos sobre o mercado financeiro e investimentos

A saúde financeira é um pilar essencial para quem deseja uma vida mais equilibrada, tranquila e com grandes conquistas! Nesta disciplina, a tão famosa planilha com o controle dos ganhos e gastos é uma ferramenta fundamental para sua organização financeira.  

Com ela temos uma fotografia de como agimos no passado e dados relevantes para analisarmos como ajustar os gastos em prol de nossa qualidade de vida, no presente e futuro.  

O conceito de educação financeira pessoal se torna completo e eleva seu potencial quando: 

  1. Há busca de maior conhecimento sobre produtos e serviços financeiros, com o objetivo de aproveitar melhor as oportunidades de fazer o dinheiro se multiplicar com segurança e praticidade.

  2. Elaboramos uma mentalidade onde a prosperidade é algo que vai além do que se ganha, alcançando também nossa capacidade de dar valor e tirar o melhor proveito do que se tem.

  3. Conseguimos controlar nosso emocional, equilibrando comportamentos e atitudes para uma tomada de decisão inteligente, que nos aproxime da realização das nossas metas de vida, do nosso crescimento pessoal e profissional. 

Sabe aquele momento em que você entra na loja e tem o impulso de comprar aquela roupa ou eletrônico que não precisa, mas que está em promoção? O controle desse desejo de forma consciente, pensando que o dinheiro tem outro destino dentro do seu planejamento é educação financeira pessoal no seu aspecto mais humano, subjetivo e comportamental

E a planilha de despesas e ganhos que você construiu para fazer as análises e gestão das finanças, que apontou exageros nas compras por impulso? Isso é educação financeira pessoal na sua dimensão mais exata e pragmática

Percebe de que forma os universos das ciências exatas e humanas entram conexão? 

A importância em começar uma educação financeira pessoal  

Uma boa educação financeira pessoal é essencial para sua organização financeira!

A educação financeira pessoal faz com que você estabeleça uma relação saudável com o dinheiro e que esteja no controle! Honrar as contas do dia a dia, economizar para a realização de sonhos futuros e ainda poder realizar atividades prazerosas podem ser consideradas uma gigantesca vantagem, e podem ser conquistadas através de um bom planejamento financeiro

Mas lembre-se que a educação financeira pessoal é muito mais! Quando você inclui nesse leque valores, sonhos e projetos de vida, observamos grandes impactos em outros aspectos.  

É fascinante pensar que esses direcionadores ganham maior complexidade na relação em família, com o cônjuge e com os filhos. A educação financeira é algo essencial  e pode ser aprendido desde muito cedo, antes mesmo de sabermos escrever nosso nome ou aprendermos a somar.  

Dicas sobre educação financeira pessoal! 

Vamos conhecer algumas dicas práticas para começar sua organização financeira. Acompanhe abaixo! 

Controle as finanças

Pode parecer exagero, mas não é. Você precisa ter na ponta do lápis, de forma organizada, onde gasta seu dinheiro! Aqui não há espaço para um controle de cabeça aproximado.

Você precisa saber exatamente quanto e onde gasta. Desta forma conseguirá, com facilidade, visualizar distorções, excessos e encontrar caminhos para fazer a gestão de onde economizar. 

Planeje os gastos e investimentos

Tem que escrever. Tanto os grandes sonhos quanto a lista do supermercado devem ser postos no papel, faz toda a diferença! Materializar as metas e necessidades ajuda sua tomada de decisão. Vale para as situações mais rotineiras e frequentes, como resistir às promoções que citamos anteriormente, como também para os grandes momentos da vida (mudar de cidade, ter filhos, estudar no exterior, etc). 

Defina as principais despesas

Algumas despesas não podem ser cortadas. Os custos com alimentação, moradia, impostos e escola, por exemplo, são inevitáveis. Já os gastos com entretenimento e lazer podem ser cortados ou reduzidos em momentos de crise. 

Você deve ter essa lista do que é prioritário de forma hierarquizada, da mais para a menos importante, para que consiga adequar seus gastos. Lembre-se que esta lista é individual, somente você saberá calibrar o que é essencial para você e sua família. 

Evite despesas desnecessárias 

Chegou o momento de abordarmos as diferenças entre necessidades e desejos, e as noções entre preço e valor. O impacto financeiro de pequenos gastos desnecessários e baratos é grande com o acúmulo e passa despercebido.

É necessário ter foco e disciplina evitando esses gastos. Outro ponto importante está no valor dos produtos. Pense bem se na hora de comprar um celular ou um tênis, está pagando um valor razoável ou está investindo no status da marca

Economize 

Nós brasileiros não temos o hábito de economizar. O ideal é que um valor de no mínimo 10% do salário seja poupado todos os meses. Imagine que esse montante faça parte das contas inevitáveis e prioritárias, um valor que não pode ser negligenciado, nem faltar.   

Invista 

Não há dúvida: gastar dinheiro é muito mais fácil do que ganhar. Então por que não aprender a proteger o dinheiro e fazer ele render? Não faz sentido trabalhar muitas horas todos os dias para ganhar mais por um lado, e por outro deixar o dinheiro parado no cofrinho. 

Hoje temos acesso a muita informação de qualidade sobre o tema e boas alternativas seguras e rentáveis que podem servir para seu perfil e objetivos. Acima de tudo, lembre-se que investir é coisa séria e que qualquer promessa de ganhos exorbitantes de forma fácil, tem grandes chances de ser cilada! 

Mas, onde investir? 

Mais do que economizar, estabeleça metas de investimento em sua educação financeira pessoal!

Agora que você já compreendeu os conceitos fundamentais da educação financeira pessoal e já sabe por onde começar, vamos trazer algumas diretrizes e dicas básicas sobre investimentos. 

Se você tiver com dívidas, a primeira coisa antes de começar a investir será quitá-las. Não há o que ponderar quanto a isso. Sabemos que não é fácil, mas com um bom planejamento financeiro, isso se torna possível!

O segundo passo será montar sua reserva de emergência, que nada mais é do que um montante de dinheiro guardado para momentos inesperados e imprevistos. Seja um reparo emergencial no carro ou pagar uma despesa médica, o destino desse dinheiro sempre será ajudar a superar uma situação crítica.  

Através de sua educação financeira pessoal, busque compreender a relação entre ganhos e risco, e se o investimento se adequa ao seu perfil de investidor. Observe:  

Perfil conservador

Se você está disposto a correr menos risco em seus investimentos, seu perfil de investidor pode ser considerado como conservador. 

Os fundos de renda fixa se enquadram neste perfil exatamente pelo baixo potencial de risco. Entre eles estão o Tesouro Direto, o CDB (Certificado de Depósito Bancário), LCI (Letras de Crédito Imobiliário) e LCA (Letras de Crédito do Agronegócio) e os fundos DI.

Perfil moderado

Se você está disposto a correr mais riscos, com uma possibilidade de ganho maior, mas sem comprometer sua segurança e tranquilidade, o perfil de investidor moderado pode ser o mais recomendado para você.

Esse perfil tem como características a versatilidade, sabendo aproveitar o melhor de cada investimento. Outro ponto importante deste investidor, é possuir mais conhecimento sobre o mercado e um patrimônio em crescimento, que já é grande o suficiente para diversificar em diferentes prazos.

A maior parte de seus investimentos é em produtos conservadores, pois o investidor moderado admite perdas até certo limite somente. No entanto, também está de acordo em ter retorno em médios e longos prazos.

Perfil agressivo

Se você busca uma maior rentabilidade e não se importa em arriscar, o perfil de investidor agressivo é o ideal para você. Além de todas as aplicações citadas acima, esses tipos de investidores também podem aplicar seu dinheiro em moedas estrangeiras, derivativos ou no mercado a termo.

Em resumo:

  • Menor risco – menores ganhos – produtos financeiros mais simples – Perfil de investidor conservador
  • Maior risco – possibilidade de maiores ganhos (não há garantias) – produtos financeiros mais sofisticados – Perfil de investidor moderado e ousado. 

Busque investimentos mais adequados observando o prazo de resgate. O mercado oferece opção para curto, médio e longo prazo, escolha o mais adequado dentro de sua educação financeira pessoal.  

A reserva de emergência, por exemplo, se precisar ser usada, deverá possibilitar que o dinheiro esteja disponível de imediato. Estamos falando de alta liquidez, já os planos para o futuro, permitem um horizonte mais largo.  

É essencial que você planeje o futuro. Trabalhar é muito bom, mas uma hora você vai querer descansar. Nada mais tranquilizador do que chegar nessa fase com independência financeira e com sua família protegida de imprevistos desagradáveis. 

Para esses fins, a Previdência Privada e o Seguro de Vida podem trazer a tão sonhada segurança financeira. Esses produtos podem ser adequados para diversos tipos de públicos e objetivos de vida.   

Quer saber mais sobre como se planejar para realizar suas metas e sonhos? A gente quer e pode ajudar. Conversar com especialistas também é um bom investimento e uma forma inteligente de fazer bons negócios. É hora de começar! 


Leia também:

Publicado por Paula Lopes

Paula Lopes possui mais de 12 anos de experiência em curadoria e produção de conteúdo, gestão de canais, implantação de plataformas digitais, campanhas de engajamento e eventos motivacionais para o público interno de empresas de diferentes segmentos e portes.

Deixe seu comentário