Liberdade financeira: confira 12 passos para alcançá-la

Por Alessandra de Paula

Uma das premissas da vida adulta é lidar com as contas, que chegam fielmente todo mês, fora as despesas do cotidiano. Conta de celular, aluguel, parcela do carro, estudo, compras de supermercado… ou seja, independente do perfil, uma infinidade de compromissos. 

Nesse cenário, atingir a liberdade financeira pode parecer uma realidade distante, e muitos nem sabem como concretizar esse desejo. Nesse artigo, vamos abordar a importância de saber lidar com o dinheiro para, enfim, alcançá-la. Confira! 

Afinal, o que é a tão sonhada liberdade financeira? 

Ter escolhas é ter liberdade, e isso não é diferente quando o assunto é dinheiro. Nesse contexto, a liberdade financeira é definida como a liberdade que uma pessoa alcança no campo das finanças, podendo decidir, por exemplo, o que quer fazer (e de que maneira) para obter renda, pagar suas contas e ainda acumular patrimônio. 

Outra visão sobre o assunto define que liberdade financeira diz respeito à autonomia em poder administrar o seu tempo da maneira que melhor lhe convém, não prejudicando a organização de suas finanças. Nesse sentido, a sua renda passa a ser suficiente para arcar com seus gastos e ainda investir tempo em atividades de lazer, como viajar, ou colocar em prática algum hobby, ou projeto,seja pessoal, ou profissional, que lá na frente também possa lhe render bons frutos.  

Em ambas as situações, traçar uma meta financeira e saber lidar com o dinheiro são regras básicas. Para se ter uma ideia, essa é uma questão tão importante que a temática começará a ser ensinada nas escolas. A educação financeira passou a ser direito de todos os brasileiros, previsto na chamada Base Nacional Comum Curricular (BNCC).  

Como calcular a quantia necessária para ter independência financeira? 

Antes de mais nada, é preciso saber que há diferença entre liberdade financeira e independência financeira. A primeira está mais relacionada a um estilo de vida, no qual a pessoa consegue gerenciar com mais autonomia sua geração de renda. Já a independência financeira, diz respeito à quantia necessária que é preciso ter para que o dinheiro “trabalhe” para você.   

Porém, para chegar lá, é fundamental ter foco e disciplina. Veja as dicas a seguir e comece o aprendizado agora mesmo: 

12 passos para alcançar a liberdade financeira 

Agora que você já sabe o que é liberdade financeira e a diferença entre ela e a independência financeira, que tal conferir 12 passos para alcançá-la? Veja a seguir:

1. Compreenda os seus gastos

O essencial é entender para onde vai o seu dinheiro. Algo que pode ajudar muito nesse processo é anotar tudo. Crie uma planilha e especifique o que precisa pagar todos os meses, como luz, gás, telefone, plano de saúde e etc. Detalhe o que é pago com dinheiro, crédito, ou débito e procure perceber o que é, realmente, importante e os gastos que podem ser eliminados. 

2. Faça um orçamento

Traçar o seu orçamento é essencial para conquistar a liberdade financeira.

Não pense que é só você que pode ter dificuldades em administrar o próprio dinheiro. Um levantamento realizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) aponta que 68% dos brasileiros afirmam não ter capacidade para lidar com imprevistos financeiros.  

Porém, nunca é tarde para mudar esse quadro. Fazer um orçamento, seja pessoal, ou familiar, é fundamental para organizar a sua vida financeira. Não é preciso fazer cálculos complicados, mas é necessário  ter disciplina para fazer o melhor uso do seu dinheiro.  

Se vai ao mercado, procure fazer uma lista para comprar o necessário e pesquise pelos melhores preços e promoções, por exemplo. Utilize a planilha que indicamos que já vai lhe ajudar a ver o que você precisa mudar para ajustar o seu orçamento e realizar o sonho da liberdade financeira.  

3. Quite as dívidas

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) também divulgaram outro dado importante: 61 milhões de brasileiros começaram 2020 endividados.

Quer saber como sair do endividamento? Clique aqui!

A orientação para quem está endividado, e não consegue honrar os compromissos financeiros, é pagar o que deve e parar de fazer novas dívidas. A princípio, pode não fazer sentido, mas separe um valor para investir na sua liberdade financeira, mesmo que tenha dívidas. Isso pode até ser um estímulo, pois, ao mesmo tempo em que está trabalhando para pagar o que deve, você também está se esforçando para alcançar a liberdade financeira. 

4. Diminua os gastos para poupar dinheiro

Cortar gastos não é ter que abrir mão de tudo, mas sim daquilo que não é essencial. É conseguir fazer escolhas, vendo com clareza o que é importante e o que pode ser considerado supérfluo. 

Em entrevista ao site Brasil Econômico, o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin), Reinaldo Domingos, afirmou que é importante ficar atento aos pequenos gastos, que, somados, fazem grande diferença no orçamento mensal

Avalie gastos como TV por assinatura, alimentação fora de casa… É possível fazer escolhas mais econômicas, principalmente quando temos um objetivo maior, que é a liberdade financeira.  

5. Tenha um planejamento financeiro

Fazer um planejamento é muito importante para desfrutar os benefícios da liberdade financeira. Afinal, todas as grandes empresas fazem um planejamento para obter lucros, por que você não faria o mesmo? 

Um plano bem delineado pode ser a bússola que vai guiá-lo rumo aos seus objetivos, contribuindo para manter o foco. E isso inclui alguns pontos já abordados aqui, como rever os gastos, priorizando o essencial e fugindo dos supérfluos. Além disso, como veremos adiante, é preciso saber investir o dinheiro para que ele possa ter o melhor rendimento.  

6. Defina suas metas e objetivo

Determinar os objetivos é fundamental para conquistar o que deseja, e isso vale também para a vida financeira. Você pode começar estabelecendo um valor para seu objetivo. Se seu projeto é realizar uma grande viagem, pagar um intercâmbio para os filhos, ou aposentar-se mais cedo, calcule quanto vai precisar. Inclua suas metas no planejamento financeiro mensal e as priorize. Converse com sua família sobre seus planos, dessa forma, todos podem ficar alinhados e mais motivados a tirar os projetos do papel, os transformando em realidade. 

7. Descubra o seu perfil de investidor

Tenha em mente que investir pode ajudar a conquistar a liberdade financeira. Mas você sabe qual é o seu perfil de investidor? Cada um tem uma forma diferente de ganhar e gastar dinheiro, por isso, muitas vezes, o investimento mais adequado para uma pessoa não serve para outra.

Descubra qual é o seu perfil e melhore suas finanças! 

Você lida bem com riscos, ou é mais conservador? Conhecendo seu próprio perfil, é possível direcionar os investimentos de forma mais adequada. São três os perfis de investidores: o conservador, o moderado e o agressivo. O primeiro é aquele que prefere calcular bem os riscos antes de fazer qualquer negócio. Pode ser uma pessoa que investe há pouco tempo, ou alguém que prefere resultados mais definidos.  

O investidor agressivo é aquele que está aberto a correr riscos. Geralmente, ele está ciente das oscilações do mercado e sabe como agir nos momentos de crise. Já o moderado reúne características de ambos. Ele gosta de arriscar, mas com ressalvas. Então, com qual dos três perfis você se identifica mais?

8. Conheça o mercado e os tipos de investimentos

Um dos passos fundamentais para conquistar liberdade financeira é estudar o mercado e as mudanças que ocorrem constantemente.

Para começar a investir, é necessário conhecer o mercado. Mesmo não sendo especialista, vale a pena conhecer quais são as opções disponíveis e, o mais importante, onde seu dinheiro pode render mais. 

O objetivo é que você consiga ter rendimentos e não fique dependendo apenas do salário mensal. Uma recente pesquisa, publicada em 2019 pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), mostra que apenas 8% das pessoas aplicaram em produtos financeiros em 2018. Ou seja, é um número muito baixo, mas é possível mudar essa realidade começando a aplicar e vendo as mudanças que isso pode causar em sua vida financeira. 

Pesquise informações em fontes confiáveis e dedique-se a aprender sobre os diferentes tipos de investimentos. No portal da Icatu Seguros, por exemplo, é possível saber mais sobre os fundos de investimentos  e fundos de Previdência. Cuidar de uma carteira de investimentos não é simples, por isso, uma ajuda profissional é fundamental. Adquirindo conhecimento, você fica cada vez mais seguro para caminhar rumo à liberdade financeira

9. Invista

Geralmente, quando se fala em guardar dinheiro, o primeiro pensamento que vem à mente é a poupança. Um estudo da Anbima identificou  o perfil do investidor brasileiro e os principais lugares que ele escolhe aplicar e concluiu que 90% dos brasileiros conhecem a poupança e outros 88% guardam dinheiro nela

Um dos motivos para esse alto percentual certamente é o baixo risco que este tipo de investimento oferece, afinal, estamos falando de um investimento em renda fixa – por isso, dificilmente se perderá dinheiro ao investir na poupança.  

Mas, assim como a poupança, existem diversos outros tipos de investimento com baixo risco e bem mais atrativos. 

O importante é que escolha, de forma acertada, onde colocar o seu dinheiro, para que ele possa trabalhar por você. O ideal é que, pelo menos, 20% do que ganha seja voltado parar criar seu patrimônio. 

10. Tenha investimentos diversificado

A melhor orientação para trazer mais segurança e rentabilidade ao seu dinheiro é ter uma carteira de investimentos diversificada. Dessa forma, evita-se que seus investimentos fiquem expostos a um mesmo tipo de risco. Ou seja, um portfólio com várias opções também é uma forma de se proteger de possíveis oscilações do mercado.  

Uma boa prática consiste em ter uma carteira de ativos baseada em diferentes indexadores, que podem estar atrelados à inflação. 

11. Acompanhe seus investimentos

Fique sempre de olho nos seus investimentos. Mesmo que uma empresa especializada cuide de suas aplicações, para realizar qualquer transação, é você quem deve dar a palavra final. Mudanças políticas e econômicas acontecem o tempo todo no mundo, e isso afeta o mercado financeiro. Por isso, é preciso estar atento para fazer as melhores escolhas. E lembre-se sempre: investimento e impulsividade não combinam. Não seja muito otimista, ou pessimista, a ponto de tomar decisões precipitadas que podem afetar seus rendimentos lá na frente.

12. Consiga uma fonte de renda extra 

Ter uma renda extra é um passo muito importante  rumo à liberdade financeira, ainda mais se estiver endividado, ou queira desenvolver um projeto pessoal que demande um investimento do qual não tem no momento. Nesse caso, a criatividade é o seu maior aliado. Pense em uma atividade que possa realizar e se dedique a ela. Pode ser desde dar aulas particulares, trabalhar com tradução de textos a ser motorista nas horas vagas… ou seja, algo que tenha capacidade e disponibilidade para realizar, lhe ajudando a ganhar um pouco mais. 

Mas lembre-se: estabelecer prazos pode contribuir quando o assunto é renda extra. Pense por quanto tempo gostaria de realizar esse trabalho extra e quanto quer juntar de dinheiro.  

Gostou das dicas para alcançar a liberdade financeira? Então, mãos à obra para realizar esse projeto de vida. 

Contribuiu no texto André Iunes Pinto. 

Leia também:  

Publicado por Alessandra de Paula

Alessandra de Paula tem mais de 15 anos de experiência em produção de conteúdo e pesquisa jornalística. Integrou a equipe de Comunicação do Ministério da Cultura, e trabalhou em grandes empresas do Rio de Janeiro, como O Globo, Extra, Jornal do Brasil, Jornal do Comercio, CDN, In Press e SRCOM, realizando diversas coberturas, incluindo Olimpíadas e Paralimpíadas Rio 2016, e Réveillon de Copacabana. Também produziu conteúdo para sites da Rede Globo.

Deixe seu comentário