6 dicas de planejamento financeiro para quem ficou desempregado - Blog Icatu Seguros

6 dicas de planejamento financeiro para quem ficou desempregado

Por Lucas Gouveia

Entender de educação financeira é ainda mais importante em momentos de crise, como ao perder o emprego. Veja nossas dicas para passar por esta fase sem dívidas.

Ficar desempregado é sempre um grande medo, especialmente quando passamos por um período de instabilidade no país. Segundo dados de uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) em setembro de 2018, 82% dos brasileiros entrevistados avaliam de forma negativa a economia no atual momento. Além disso, pelo menos 68% dos consumidores avaliam que o principal sintoma das atuais condições econômicas é o desemprego elevado.

Ser demitido não é fácil para ninguém. Esta é sempre uma fase delicada, mas com planejamento financeiro, você pode passar por esse momento sem dívidas. Porém, é preciso organização e disciplina e é necessário encarar de frente esta situação. Esta situação pode ser vista como uma oportunidade para rever sua relação com suas finanças e começar um novo estilo de vida. É um momento para se reinventar e buscar fontes de renda alternativas, que podem até virar uma nova profissão.

Separamos 6 dicas para você passar pelo desemprego preparado para os desafios:

1 – Encare a situação de frente

Coloque no papel seus recursos disponíveis. Contabilize tudo que vai receber após a demissão, incluindo férias, 13º proporcional, FGTS, e ainda o seguro-desemprego. Não esqueça: se tiver algum fundo de emergência, agora é a hora de contar com ele. Planeje seus gastos considerando esta quantia e até encontrar uma nova fonte de renda. E, lembre-se: o valor recebido na rescisão não é para comprar itens que você desejava. Esse é seu recurso para suas contas fixas durantes os próximos meses.

2 – Revise seus gastos mensais

É importante entender onde seu dinheiro é gasto em qualquer situação, mas é especialmente relevante fazer isso quando seus recursos estão limitados, como durante o desemprego. Anote todos as suas contas fixas e despesas do cotidiano.

Após conhecer seu orçamento, é necessário começar a enxugá-lo. Se você não tem nenhuma proposta de trabalho ou renda à vista, vale pensar em cortar temporariamente gastos com TV a cabo, refeições fora de casa, faxineira ou salão de beleza, por exemplo. Mesmo algumas contas fixas podem ser reduzidas. Repense seu consumo de luz e água e sua lista de compras do supermercado. É possível substituir alguns itens por produtos similares mais em conta ou buscar ofertas em outro supermercado.

3 – Reveja suas dívidas

Caso você tenha dívidas atrasadas, o primeiro passo é entrar em contato com o credor, explicar a situação e renegociar. Pode ser interessante, em dívidas com altos juros, como cartão de crédito ou cheque especial, pedir uma proposta para quitar à vista, com algum desconto. Porém, é preciso avaliar sua reserva financeira. Não adianta pagar as dívidas e depois ficar em apuros sem ter recursos para cobrir seus gastos fixos.

4 – Esqueça o cartão de crédito e pague à vista

Os juros do cartão de crédito são altíssimos. Portanto, é hora de trocar o crédito pelo débito. Pague suas contas indispensáveis e tenha um maior controle da sua verba pagando à vista. Além disso, é possível conseguir alguns descontos.

5 – Procure novas fontes de renda

Se você tem um carro, trabalhar em um aplicativo de transportes pode ser uma solução. Alugar um quarto na sua casa também pode ser uma saída. Outra opção é vender artesanatos ou doces. Use suas habilidades para criar uma nova fonte de renda até sua recolocação no mercado. Ou, quem sabe, essa pode virar sua nova fonte de renda principal.

6 – Venda o que você não usa

Aquelas roupas que você não usa mais podem pagar uma conta de luz. Já pensou nisso? Aproveite para fazer uma renovação no que não usa e vender para arrecadar recursos. Caso você tenha dívidas ou precise de um recurso maior, a venda de algum bem pode também ser uma solução, como se desfazer de um carro.

Fica a lição: uma reserva financeira e planejamento são fundamentais para momentos de crise. Ao conseguir uma nova fonte de renda, não se esqueça de garantir um fundo de reserva para eventualidades. Segurança financeira significa mais tranquilidade para você. Você pode também pensar no seu planejamento de futuro. Combine um Seguro de Vida e Previdência para uma maior proteção para você e sua família.

Publicado por Lucas Gouveia

Deixe seu comentário