Viaje com segurança: aproveite as suas férias sem preocupações

Por Diana Dantas

O verão está no seu auge. O calor aperta e queremos cada vez mais dar uma “escapada” do trabalho. Carnaval e Semana Santa parecem os feriados perfeitos, apesar de o orçamento ainda estar em estágio de recuperação pós-Natal. Os que conseguem arcar com as despesas “fogem” para lugares mais próximos, de carro ou de ônibus. Outros, mais sortudos, entram de férias nesta época e, se podem, vão a destinos mais longínquos.   

Nos dois casos, uma viagem com segurança demanda planejamento e dinheiro. Umas mais e outras menos, dependendo de custo e distância. Não se engane, no entanto. Mesmo destinos próximos podem sair bem caros, se os gastos já estiverem comprometidos. Com isso em mente, vamos dar algumas dicas de viagem, para perto e longe, que vão deixar seu roteiro mais tranquilo e econômico.  

Viaje com segurança: o “antes” de uma viagem para perto 

Quando se tem uma casa fora da cidade — seja sua, de parentes ou amigos —, a decisão é rápida. Costuma-se colocar as malas no carro e pegar a estrada sem pestanejar. No máximo, para-se no supermercado, coloca-se gasolina e checa-se o óleo. A segurança e o planejamento acabam aí. Será o ideal?  

Antes de viajar, assegure-se que carteira de motorista está na validade e que o carro está em condições de fazer o trajeto. Esteja com as revisões de seu veículo em dia, calibre os pneus e o estepe. Além disso, confira todos os itens, como o macaco, lanternas, freio, limpador de para-brisa, extintor de incêndio e o óleo.  

Na hora de se decidir se pega ou não a estrada, também deve-se considerar os gastos da viagem. Por mais curta que seja, existem os valores a serem contabilizados, como os de alimentação, da gasolina ou da passagem de ônibus, se for o caso. Certamente, em uma viagem de última hora, não há planejamento completo, com metas e objetivos, uma vez que não é necessário altos gastos para realizá-la. Responsabilidade financeira, contudo, tem que haver. Olhe seu extrato, faça uma conta rápida para ver se os gastos básicos cabem no seu orçamento. Dará para chegar ao fim do mês ou vai ficar sobrecarregado? Vale a pena? Se tiver respondido não para essas perguntas, talvez, seja melhor deixar para outro momento.    

Já aqueles que farão viagens curtas, mas vão para hotéis, pousadas ou para uma casa alugada, um planejamento financeiro é necessário. Neste caso, vale a pena traçar metas e objetivos, mesmo que de curtíssimo prazo, como o exemplo abaixo. 

Uma viagem curta de três dias. Calcule o valor total da viagem, incluindo gastos como transporte, alimentação, hospedagem e passeios turísticos. O valor total será seu objetivo. Quantos meses será necessário poupar para atingi-lo? E qual valor mensal? É viável? Se não for possível, neste momento, talvez, seja necessário contar com um pouco de sua reserva. Veja o que pode gastar. Na metade do caminho, cheque para ver se os valores guardados estão dentro do esperado – essa é sua meta.  

Viaje com segurança: o “antes” de uma viagem para longe

Para a tranquilidade dos seus familiares e amigos, lembre-se: viaje com segurança!

Se você conseguiu férias e a ideia é ir longe neste período, o planejamento será essencial. Seja para viagens fora ou dentro do Brasil, de uma semana ou duas. Gastos com hospedagem, avião ou até mesmo uma longa distância de carro, são muito altos para serem feitos sem pensar. Saiba como economizar para viajar.  

Quer conhecer todas as belezas do nordeste? Inicie o planejamento ao menos seis meses antes da viagem. Dessa forma, poderá comprar passagens mais baratas e traçar as já mencionadas metas e objetivos de maneira mais suave, ao ampliar cada prazo. Com antecedência, ainda será possível fazer um investimento de liquidez facilitada, que aumente mais seus ganhos.  

Se a viagem for planejada com alguns anos — realização de um sonho de vida —, pode-se começar a investir o dinheiro em uma previdência privada com tabela progressiva, ideal para aplicações de curto e médio prazo. A alíquota segue o mesmo regime de tributação do Imposto de Renda Anual da Receita Federal. Se a base de cálculo for de até R$ 22.418,64, a parcela a deduzir é zero. A partir desse valor, apenas 7,5%. Quem ainda fizer a previdência privada no plano PGBL, ideal para quem declara no formulário completo, tem a oportunidade de abater até 12% da renda bruta anual no IR. Pode valer a pena, não? 

Fazer um seguro de viagem também é importante. Ele deve ser contratado antes de a jornada começar e pode cobrir tanto viagens para fora quanto para dentro do Brasil — o que nem todos sabem. Muitos acreditam que os planos de saúde cobrem todo o país, mas nem sempre é o que acontece. Por isso, verifique essa informação antes de embarcar 

Além dos gastos médicos, que podem ser altíssimos, dependendo do incidente, alguns seguros oferecem diversas coberturas, dependendo se o contrato é nacional ou internacional. As mais comuns são os pagamentos de indenização em casos de atrasos de voos e localização de bagagem. E, na Icatu, este e outros benefício podem já vir incluso em seu Seguro de Vida. Quer saber mais? Solicite um contato de um especialista.  

Viaje com segurança: o “durante” de uma viagem  

Tanto para perto quanto para longe, busque sempre estar atento às suas despesas. Procure ficar com as cópias de comprovante de cartão para calcular os gastos ao final de cada dia. Em uma viagem para lugares mais distantes, tente não sair muito do roteiro nem comprar demais para evitar surpresas depois, especialmente, aquelas em relação ao cartão de crédito.  

Esteja também sempre atento à sua documentação. Sem ela, dependendo do destino e do seu transporte, você não volta para casa. Apesar de não substituir um original, é sempre bom levar consigo cópias online e físicas de todos os seus documentos importantes necessários em uma viagem, como passaporte, identidade e carteira de motorista. Elas podem ajudar, em caso da perda.  

Bagagens e pertences também são itens nos quais sempre se deve estar alerta, especialmente, em aeroportos e rodoviárias. Nunca saia de perto deles. O Brasil, infelizmente, tem má reputação em segurança, mas, em países considerados de “primeiro mundo”, roubos e furtos também ocorrem com frequência. Quando diminuímos a vigilância, situações assim acontecem com mais facilidade.  

Publicado por Diana Dantas

Formada pela PUC-Rio, Diana Dantas passou por diferentes redações, como O Estado de S. Paulo, Agora SP (Grupo Folha) e Brasil Econômico (Grupo Ejesa). Nesse período, trabalhou nas editorias de Educação, Cidades, Cultura e Economia. Desde de 2017, escreve para Icatu sobre seguros e planejamento financeiro.

Deixe seu comentário