Veja como fazer a declaração do Imposto de Renda sem complicações em 2020!

Por Diana Dantas

Sem dúvidas, saber como fazer a declaração de Imposto de Renda é importante. No entanto, como dizem, o ano só começa depois da maior festa do Brasil: o Carnaval. Depois disso, ainda temos a Quaresma, a Semana Santa e acabamos por entregar o imposto de renda cada vez mais tarde. 

Muitos, no entanto, ainda estão se recuperando do clima de festa e devem deixar a declaração para o último instante, como normalmente acontece.  

Em 2018, por exemplo, faltando apenas 48 horas, 4,89 milhões de pessoas ainda não tinham ou não sabiam como entregar o IR, segundo o site da UOL. Por isso, estamos aqui para lembrar a você que é preciso fazer isso da maneira correta e com antecedência. O ideal é começar a pensar e planejar essa declaração com calma e entregar em uma data confortável para não correr riscos.  

Se deseja saber como fazer declaração de Imposto de Renda sem complicações, esse artigo foi feito especialmente para você! 

Boa leitura! 

Como fazer declaração de Imposto de Renda com organização? 

Saber como fazer essa declaração pode parecer uma atividade complexa. De fato, sem os devidos cuidados e precauções, pode acabar sendo algo bastante trabalhoso. 

Pensando nisso, para facilitar o processo, separamos as etapas mais importantes para que você saiba como fazer declaração de Imposto de Renda da melhor forma. Confira o passo a passo abaixo! 

  1. Reúna os documentos e comprovantes necessários 

A parte burocrática pode ser chata, mas é preciso estar de acordo com todas as exigências. Para não perder tempo na entrega do Imposto de Renda, reúna e organize seus documentos com antecedência. 

Além dos dados cadastrais, como RG, CPF e título de eleitor, separe os documentos, como relatórios de instituições financeiras (sejam de bancos ou corretoras), recibos de outras rendas (caso houver) e, principalmente, os informes de rendimento. 

Quanto a esses últimos, tenha em mãos:  

  • Informe de rendimento da empresa em que você trabalha;  
  • Informe de rendimento do seu banco.  

E se você tiver capital investido, também será preciso o informe de rendimento da corretora.   

Não se esqueça de reunir também os comprovantes de seus bens, como imóveis e automóveis. 

Anotou tudo? Agora podemos seguir para o próximo passo desse tutorial de como fazer declaração de imposto de renda! 

  1. Faça o download do software do IRPF no site da Receita Federal 

Reuniu todos os documentos necessários? Agora é hora de fazer o download do gerador de declaração do IR (DIRPF). Não se preocupe em relação à instalação, basta seguir as orientações do próprio instalador.  

Com o DIRPF instalado, você poderá escolher duas opções: Declaração ou Retificação. 

Um adendo sobre a retificação é que essa opção só é necessária em casos de, ao ter a declaração pronta e em mãos, seja preciso fazer alguma correção. 

  1. Preencha os dados de cadastro 

Essa, sem dúvidas, é uma das partes mais simples das etapas desse tutorial de como fazer declaração de Imposto de Renda. Aqui, será preciso apenas preencher os seus dados pessoais, como:  

  • Nome completo;  
  • Endereço; 
  • CPF/CNPJ; 
  • Título eleitoral; 
  • Ocupação profissional.  

Um ponto importante é que será necessário ter em mãos o recibo da declaração de Imposto de Renda do ano anterior, caso tenha sido declarada.   

  1. Liste e informe seus rendimentos, bens e direitos   

Nesta etapa, será preciso estar com os rendimentos e os demais documentos citados anteriormente. Uma boa forma de saber como fazer declaração do imposto de Renda de um jeito simples, é organizando seus rendimentos, bens e direitos em listas.   

Ainda no software, você vai encontrar uma aba chamada “Rendimentos tributáveis recebidos de PJ pelo Titular”. Aqui, é preciso informar todos os valores recebidos no último ano.  

No caso dos bens e direitos, vão entrar na declaração:   

  • Saldo da sua conta corrente;  
  • Imóveis;  
  • Automóveis;
  • Investimentos em atividade;  
  • Dívidas no nome do contribuinte ou de dependentes;  
  • Demais bens, como móveis acima de R$5.000,00, vendidos ou adquiridos no último ano. 

Algo importante a se lembrar é que os valores devem ser declarados entre 31 de dezembro de um ano e 31 de dezembro do próximo. Qualquer nova aquisição que você venha a realizar a partir do dia 1 de janeiro do ano atual, não deve ser informada ao entregar Imposto de Renda.  

Os valores declarados devem estar sempre de acordo com o gasto na hora da compra, não sendo permitido fazer quaisquer atualizações monetárias, independente do mercado.  

Você possui algum rendimento isento do Imposto de Renda? Lembre-se que eles deverão ser informados em uma aba especial de rendimentos isentos.   

Não se esqueça que alguns investimentos também estão isentos, como:  

  • LCI e LCA;  
  • Debêntures Incentivadas; 
  • CRI e CRA.
  1. Lance todos os pagamentos efetuados no último ano 

Essa é mais uma dica importante na hora de entender como fazer declaração de imposto de renda! 

Olhar para todas as despesas do último ano pode parecer complicado, mas é necessário. Liste todos os comprovantes deduzidos do IR. Lembrando que alguns deles devem ser lançados na aba “Pagamentos efetuados”, como:  

  • Despesas médicas ou convênios de saúde;  
  • Pagamentos a profissionais da saúde, como médicos, psicólogos, fisioterapeutas, dentistas, etc 
  • Valores do ou dos planos de saúde, internação em hospitais e exames em laboratórios;  
  • Compra de aparelhos ortopédicos e próteses dentárias;  
  • Despesas com educação; 
  • Mensalidade escolar. 

Não se esqueça de informar os dados das instituições recebedoras, como o CNPJ em caso de Pessoas Jurídicas ou o CPF em caso de algum profissional pago por algum serviço.  

  1. Verifique as pendências da declaração 

Ao finalizar o preenchimento dos gastos, existe a possibilidade de checar se algum campo obrigatório deixou de ser preenchido. Clique no botão “verificar pendências” e o próprio sistema da Receita indica o que deve ser corrigido ou adicionado.   

  1. Informe a conta para restituição do Imposto de Renda 

Se você tiver direito à restituição, lembre-se de informar os dados bancários da sua conta corrente. Se não for o caso, não se preocupe. O pagamento do Imposto de Renda pode ser parcelado em até 8x.   

  1. Finalize a sua declaração 

Finalmente, você poderá clicar em “Entregar Declaração”. Automaticamente, todos os dados preenchidos serão salvos e uma nova janela, e uma janela solicitando que você escolha a declaração a ser entregue para a Receita Federal vai aparecer.   

Agora é só pagar o DARF!   

Veja 5 motivos para entregar o IR antecipadamente  

Em 2020, a declaração do Imposto de Renda será entre os dias 2 de março e 28 de abril. Por isso, preparamos uma lista de motivos para que você se organize e saiba como fazer declaração de imposto de renda antes do final de abril:   

  1. Papéis 

Talvez esse seja o principal motivo para você querer saber como fazer declaração de imposto de renda. Organizar a papelada pode dar muito trabalho e levar tempo. A lista de documentos é interminável, assim, quanto antes começar a agrupá-los e organizá-los, mais fácil será para entregar Imposto de Renda: 

  • Informe de rendimentos do antigo emprego, de clientes, e das instituições financeiras;  
  • Contratos e, escrituras; 
  • Comprovantes de escolas, universidades e planos de saúde.   

Lembre-se: este ano, a declaração exige o CPF de todos os dependentes, mesmo que sejam menores de idade. O objetivo é evitar fraudes. Portanto, se o seu (sua) filho (a) não tem, é necessário tirar o quanto antes.   

  1. Retificação e malha fina 

A retificação pode ser feita até cinco anos após a data em que foi feita a declaração. Por exemplo, em 2019, foi feita a prestação de contas relativa ao ano de 2018. Nesse caso, a retificação dessa declaração poderá ser feita até 31 de dezembro de 2024.   

Porém, se fizer a correção até 30 de abril – por ter esquecido algum documento ou colocado algum dado errado -, as chances de cair na malha fina são menores. Isso ocorre porque, depois do prazo, a tendência é que Receita “note” a sua declaração com mais facilidade. 

  1. Sobrecarga do sistema  

Ao deixar para o último momento da entrega, o contribuinte está sujeito à falhas ou à lentidão da rede da Receita Federal. Caso ocorra esse tipo de imprevisto ou qualquer outro – como um apagão -, a pessoa pode pagar multa ou cair na malha fina por alguma disparidade que não deu tempo de corrigir. 

  1. Multa 

Se nenhum dos motivos acima fez você se inspirar a fazer declaração de imposto de renda com antecedência, talvez, este faça: caso não entregue o IR no prazo, a multa mínima é de R$ 165,74, para quem não tem imposto devido, e vai até 20%, para quem tem.  

Aqueles que não pagarem em 30 dias ainda precisarão arcar com mais os juros baseados na taxa Selic, que no momento está em 6,5% ao ano.  

Além de pesar no bolso, a perda do prazo pode ainda deixar o CPF do contribuinte comprometido. Ou seja, impossibilitando de fazer passaporte, prestar concurso público, pedir empréstimo e quaisquer outras situações que exigem “nome limpo”.  

  1. Restituição 

Os contribuintes, em geral, sabem que quem declara primeiro recebe primeiro. Essa vantagem pode ser ótima para quem tem dívidas e precisa de um reforço extra no caixa.   

Muitos, no entanto, preferem fazer nos últimos dias de abril para receberem no final do ano, com esperança de que a correção da Taxa Selic dê aquele “UP” no valor final da restituição.   

Essa estratégia, entretanto, deve ser ponderada, pois, segundo o último Boletim Focus, de 11 de março, a estimativa é que a taxa se mantenha nos atuais 6,5% a.a até o fim de 2019.  

Como é possível perceber, os motivos para antecipar a declaração são consideráveis, principalmente, a multa para quem não cumpre o prazo.   

Que tal começar a se organizar? Não precisa ser na correria, mas entregar Imposto de Renda algumas semanas antes do dia 30 de abril é uma ótima ideia! 

Gostou de saber como fazer declaração de Imposto de Renda? Então, confira nossas dicas sobre como os planos de previdência privada podem ajudar a pagar menos IR! 

Publicado por Diana Dantas

Formada pela PUC-Rio, Diana Dantas passou por diferentes redações, como O Estado de S. Paulo, Agora SP (Grupo Folha) e Brasil Econômico (Grupo Ejesa). Nesse período, trabalhou nas editorias de Educação, Cidades, Cultura e Economia. Desde de 2017, escreve para Icatu sobre seguros e planejamento financeiro.

Deixe seu comentário