Como os médicos podem cuidar de sua própria saúde financeira?

Por Diana Dantas


Faz parte do cotidiano médico conviver com pessoas afastadas do trabalho, seja por doença ou por acidente. Mesmo assim, poucos profissionais percebem que a sua realidade, um dia, pode ser igual a do paciente. Apesar de muitos procurarem cuidar bem da saúde, como recomendam em seus consultórios, eles nem sempre estão preparados para os casos de imprevisto.

Por isso, além de se preocuparem consigo e com os outros, os médicos também necessitam se planejar financeiramente. Uma grande parcela atua apenas como profissional liberal. ou seja, não se pode dar ao luxo de apresentar um atestado para se ausentar e, ainda assim, continuar a receber. Uma vez que não se trabalha também não se ganha.

Há, no entanto, alguma alternativa que minimize essa instabilidade? Sim, as opções existem. As seguradoras oferecem, atualmente, diversas formas de garantir renda, em casos de impedimento do exercício da atividade profissional, seja de forma temporária ou total.

Quais são as alternativas?

Os seguros de vida são os mais indicados para as situações de afastamento do trabalho. Além da conhecida indenização em caso de morte, os planos apresentam diferentes coberturas com esse propósito. A seguir seguem algumas das opções mais comercializadas.

  • Diária por incapacidade temporária – o cliente recebe o pagamento de uma renda, se comprovar a contínua, porém momentânea, impossibilidade de exercer a atividade durante tratamento médico, motivado por doença ou acidente. Até mesmo os quadros de Lesão por Esforço Repetitivo (LER), muitas vezes causados pelo próprio trabalho, costumam ser cobertos.
  • Invalidez total ou parcial, decorrente de acidente pessoal coberto – o segurado ganhará uma indenização correspondente ao seu grau de invalidez, em caso de perda definitiva ou parcial de um membro ou órgão. Para médicos e dentistas, ainda há opção de majoração da cobertura. Isto é, o pagamento do capital será integral, se houver a invalidez dos órgãos ou membros listados na apólice.

Além do seguro de vida, médicos também devem pensar na aposentadoria, com a finalidade de viverem mais tranquilos quando quiserem pendurar os jalecos. A previdência privada é uma das maneiras mais adequadas para garantir esse futuro ideal. Existem várias vantagens.

Com um PGBL, por exemplo, aqueles que declaram renda pelo formulário completo do Imposto de Renda podem obter uma dedução de até 12%, na hora de pagar o Leão. Os que optarem também pela tabela regressiva, ideal para investir a longo prazo, ainda podem escolher receber uma renda mensal, que ajuda a complementar a aposentadoria do INSS, dando mais conforto para curtir a melhor idade. Essas são apenas algumas das alternativas na hora de fazer um plano de previdência privada. Por isso, é sempre recomendado consultar um especialista antes de assinar o contrato.

Bons médicos costumam fazer diagnósticos precisos. Por isso, além de avaliar a saúde do paciente, o profissional também deve procurar analisar a sua própria, a física e a financeira. Cuidar de si mesmo é tão importante quanto cuidar do próximo.

Publicado por Diana Dantas

Formada pela PUC-Rio, Diana Dantas passou por diferentes redações, como O Estado de S. Paulo, Agora SP (Grupo Folha) e Brasil Econômico (Grupo Ejesa). Nesse período, trabalhou nas editorias de Educação, Cidades, Cultura e Economia. Desde de 2017, escreve para Icatu sobre seguros e planejamento financeiro.

Deixe seu comentário