Guardar dinheiro na poupança é a melhor opção?

Por Diana Dantas

Há duas formas de guardar dinheiro sem vê-lo render suficientemente: a mais radical, colocando em uma gaveta ou debaixo do colchão, e a mais popular, aplicando na poupança. Mas, será que guardar dinheiro na poupança é o ideal para as suas finanças?

A principal desvantagem desse investimento é que a rentabilidade da poupança é extremamente baixa. Esse “pequeno problema” – a falta de rendimento – não afeta em nada o carinho dos brasileiros com essa forma de poupar. Um levantamento da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em parceria com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), de junho de 2019, revelou que 65% dos entrevistados aplicam na poupança e que 25% ainda mantêm o dinheiro guardado em casa.

As pessoas também tiveram que responder por que ainda escolhem essas opções. Em primeiro lugar, empatado com 28% cada um, a facilidade ao acesso ao dinheiro e a falta de sobras para aplicar em outro lugar. Já 20% disseram estar habituados, e 17% temem perder suas economias em outro tipo de investimento.

As respostas indicam um perfil conservador, mas também a falta de conhecimento sobre finanças pessoais. Se você acha que precisa se sentir um pouco mais seguro na hora de investir, vamos lhe ajudar.

 

Por que guardar dinheiro na poupança não é a melhor alternativa? 

O motivo pelo qual o dinheiro em casa não rende é mais óbvio, mas a razão pela qual guardar dinheiro na poupança não é uma boa ideia é porque ela tem um rendimento muito baixo quando comparado a outros investimentos

A poupança foi indexada à taxa básica de juros (Selic), em 2012, para que os títulos do tesouro, forte fonte de arrecadação do governo também atrelada à Selic, não perdessem competitividade quando os juros baixassem.

Assim que, atualmente, a poupança é calculada de duas formas distintas: Taxa Referencial (TR) – que atualmente é 0% – mais 70% da Selic, quando esta está abaixo de 8,5% ao ano; ou TR mais 0,5% ao mês, quando a Selic estiver acima de 8,5% a.a.

No momento, a Selic está em 5% a.a., mas há uma possibilidade que o Banco Central baixe ainda mais, para 4,5%, até o fim de 2019. Se esse movimento do BC se concretizar, a poupança renderá 0,26% ao mês. Isso significa que a rentabilidade da aplicação passa a ser menor do que a inflação, pois, de acordo com as previsões, em dezembro chegará a 0,35% a.m., ou seja, o investidor começa a perder dinheiro. Por isso, cada vez é mais urgente aplicar em opções diferentes.

Para investir da melhor maneira, primeiro, é importante você descobrir qual tipo de investidor você é: conservador, moderado ou agressivo. Por isso, vamos falar um pouco sobre eles agora. Acompanhe:

Tipos de investidores 

O investimento ideal requer um conhecimento de qual tipo de investidor você é, normalmente, os bancos e instituições financeiras definem o seu com base em diversas perguntas que são feitas quando você vai fazer um investimento, mas vamos falar um pouco sobre cada tipo para entender o que cada um deles buscam.

Investidores conservadores 

Essa categoria busca segurança e tranquilidade em seus investimentos mesmo sabendo que irão ter uma rentabilidade mais baixa, pois não estão dispostos a arriscar seus bens.

Esse perfil, normalmente, é relacionado a pessoas que não possuem um conhecimento muito aprofundado do mercado financeiro e estão iniciando no “mundo” dos investimentos, por isso, acabam tendo medo de se arriscar.

Investidores moderados

Esse tipo tolera um pouco mais de risco, mas sem que isso chegue a comprometer a sua segurança e tranquilidade. Para manter os investimentos mais equilibrados, essa categoria busca por uma carteira mais diversificada garantindo, então, uma rentabilidade mais elevada sem expor o seu patrimônio.

Investidores agressivos 

Os investidores agressivos estão atrás de uma maior rentabilidade e não se preocupam em correr mais risco. Essas pessoas, costumam ter um conhecimento profundo sobre o mercado financeiro.

Qual é o melhor investimento para quem não quer mais guardar dinheiro na poupança? 

Para quem não quer mais guardar dinheiro na poupança e possui o perfil conservador, ou seja, não gosta de arriscar em investimentos variáveis, como a Bolsa de Valores, a renda fixa costuma ser uma boa escolha, mas com a Selic tão baixa, até mesmo essa opção passa a não ser um bom negócio.

Por isso, uma das melhores alternativas para driblar uma taxa Selic tão baixa é a Previdência Privada.

Apesar da liquidez não ser tão facilitada quanto a poupança, há opções em que o investidor pode decidir aplicar seu dinheiro em fundos mistos. Nesse tipo de aplicação, o cliente pode colocar uma parte do valor em renda fixa e outra em uma variável.

Se a ideia é não se arriscar muito, recomenda-se fazer uma divisão 80% e 20%, respectivamente, por exemplo. Assim é possível ganhar um pouco mais e não perder muito do valor inicial.

Já é uma ideia mais interessante, certo? Não é preciso dar passos muito largos para começar no mundo dos investimentos. Caminhe no seu ritmo, sentindo-se confortável e seguro, mas sempre com o objetivo de  ganhar dinheiro.

Agora que você já sabe que guardar dinheiro na poupança não é o ideal, que tal se prevenir e começar a estudar as possibilidades de investimentos, antes que suas economias comecem a render abaixo da inflação na poupança?

 

Para saber mais sobre investimentos, o que acha de começar aprendendo como investir com maior retorno e segurança?

Publicado por Diana Dantas

Formada pela PUC-Rio, Diana Dantas passou por diferentes redações, como O Estado de S. Paulo, Agora SP (Grupo Folha) e Brasil Econômico (Grupo Ejesa). Nesse período, trabalhou nas editorias de Educação, Cidades, Cultura e Economia. Desde de 2017, escreve para Icatu sobre seguros e planejamento financeiro.

Deixe seu comentário