Você sabia que o seguro de vida pode te libertar da dependência do INSS, em caso de doença?

Por Diana Dantas

Existem situações na vida que não podemos prever, como é o caso de uma tragédia ou  a descoberta de doença. Essas são possibilidades que podem tornar-se realidade na vida de qualquer pessoa. Como se não bastasse a enfermidade, os familiares ou o próprio paciente precisam lidar com o estresse financeiro gerados em consequência.

O “Profissão Repórter”, conseguiu exemplificar a crise gerada na vida das pessoas pela falta de dinheiro. Em um dos episódios do programa, foi contada a história de diversos pacientes diagnosticados com  câncer, que tiveram o auxílio-doença negado pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), mesmo depois de terem apresentado atestado médico confirmando a incapacidade de trabalhar.

Essas circunstâncias apenas tendem a aumentar, visto que  um estudo recente do Instituto Nacional do Câncer (INCA) constatou que o Brasil poderá ter 625 mil novos casos de câncer no ano de 2020.  Diante disso, torna-se cada vez mais imperativo tomar uma atitude, agora, com o objetivo de não ficar sujeito aos benefícios concedidos pelo Estado, depois.

Uma solução para não ficar dependente do INSS, é contratar um plano de seguro de vida. . Além da indenização por morte, uma apólice concede capital, em casos de doenças graves, como as retratadas no programa, dependendo do produto adquirido. Basta contratar uma cobertura específica para ficar segurado em caso de doença.

Seguro de vida em caso de doença: como as finanças afetam a saúde física e mental

Para te ajudar a descobrir se você precisa de um seguro doença, vamos trazer alguns dados que comprovam que a segurança financeira está diretamente ligada com o bem-estar físico e mental de uma pessoa. Além de todo o desgaste, algumas relações também podem ser comprometidas durante uma crise financeira.

Um estudo nacional realizado, pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) juntamente com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), com consumidores endividados há mais de 90 dias, constatou que, cada vez mais, os brasileiros inadimplentes estão sofrendo com problemas físicos e mentais, como por exemplo, transtorno de ansiedade, depressão, angústia, dificuldades em relacionar-se no trabalho, etc.

Segundo esse levantamento, 65,6% dos inadimplentes sentem-se deprimidos por estarem devendo, e como consequência disso, relataram recorrerem a vícios como o álcool, comida, cigarro, etc. Algumas dessas substâncias, se combinadas ao tratamento de doenças não são nem um pouco recomendadas, pois só agravam o quadro clínico.

Outra pesquisa, feita pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP), relatou que cerca de 80% dos indivíduos que acumulam dívidas acabam sofrendo com a depressão ou ansiedade.

Além de tudo isso, uma crise financeira pode também afetar seus relacionamentos. Seja de amizade, amoroso ou familiar eles precisam de confiança e respeito. Em situações em que perde-se algum desses dois elementos, pode ser que a estrutura dessa relação seja abalada. 

Existem inúmeros motivos em que as finanças podem afetar os relacionamentos, uma amizade, por exemplo, onde um dos dois faz um empréstimo com o outro e não consegue quitá-lo. Isso pode trazer danos capazes de causar rupturas entre esses indivíduos.

Como vimos acima, em situações comuns, essas crises já podem surtir efeitos graves, imaginem adicionar, ainda, um diagnóstico que comprova uma enfermidade. Para evitar que situações como essas ocorram em sua vida, veja abaixo como um plano de seguro de vida em caso de doença pode ser útil.  

Quem recebe indenização de um seguro de vida em caso de doença?

Fizemos esse artigo para responder algumas das questões que surgem com o tema, como por exemplo, quem recebe o seguro de vida em caso de doença.

Qualquer segurado com a cobertura de doença grave (DG), tem a permissão de dar entrada no sinistro, em caso de diagnóstico definitivo. Entre as enfermidades garantidas pela apólice estão, por exemplo, câncer, insuficiência renal ou ainda sequelas de infarto do miocárdio ou de Acidente Vascular Cerebral (AVC).

A burocracia e as exigências para receber o valor variam de acordo com a seguradora, as coberturas, o capital e os planos contratados. Afinal,  nenhum seguro é igual ao outro. 

Apesar da premissa, as condições para recebimento das indenizações costumam ser mais rápidas e menos rígidas do que as do INSS. Isso ocorre porque, no momento da contratação, o cliente precisa responder a um formulário relatando os hábitos e o histórico médico. 

Uma vez aceito, o cliente estará protegido em caso de diversas eventualidades, como por exemplo, o diagnóstico de alguma das doenças listadas na apólice, no momento em que o contrato é firmado. 

Ao obter a indenização do seguro de vida, o paciente pode arcar com os medicamentos , se internar no hospitais de sua preferência – que tenham até tratamentos mais recentes e eficientes – além de realizar cirurgias , muitas vezes não cobertos por planos de saúde, nem pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

O valor ainda pode ser usado para pagar as despesas domésticas, já que o segurado fica inabilitado de trabalhar. Com mais tranquilidade nesse momento tão difícil, as chances de cura e o prolongamento da vida também tendem a crescem. Dessa forma, o contratante e a sua família podem encontrar  a tranquilidade e a esperança necessárias para enfrentar a doença de uma forma menos angustiante e sem precisar se preocupar, também, com as finanças. .

Casos como esses que citamos durante todo o artigo,poderiam ser evitados, se as pessoas se conscientizarem  da necessidade de planejar o futuro. 

Gostou de aprender como um seguro de vida em caso de doença pode ser fundamental? Então, leia também sobre os cuidados com a saúde para se ter mais longevidade!

Publicado por Diana Dantas

Formada pela PUC-Rio, Diana Dantas passou por diferentes redações, como O Estado de S. Paulo, Agora SP (Grupo Folha) e Brasil Econômico (Grupo Ejesa). Nesse período, trabalhou nas editorias de Educação, Cidades, Cultura e Economia. Desde de 2017, escreve para Icatu sobre seguros e planejamento financeiro.

Deixe seu comentário