Confira a importância das estratégias de investimentos!

Por Paula Lopes

Como será que os investidores mais bem-sucedidos do mundo reagem às tendências de mercado ou as perspectivas econômicas? Será que acompanham minuto a minuto as mudanças da bolsa de valores e o preço das ações? Será que movimentam suas aplicações a partir  das dicas mais quentes do dia? Quais estratégias de investimento usam e recomendam?  

Lançamos aqui esta série de reflexões para aquecer o tema e deixar claro, logo de início, que uma estratégia de investimento de sucesso pode se adequar a você. E para se obter maiores ganhos com menores riscos? A resposta para esta pergunta é tão única quanto cada ser humano na face da Terra.  

No “mundo” dos investimentos não existem  fórmulas mágicas, dicas mirabolantes ou enriquecimento do dia para noite. O que existe é o caminho mais adequado e, neste artigo, você vai entender como dar os primeiros passos para definir a sua melhor estratégia de investimento.    

O que são estratégias de investimentos? 

As estratégias de investimento são abordagens de investimentos definidas em função de diversas variáveis, como: objetivos financeiros, recursos disponíveis, prazos de investimento, perfil do investidor e sua tolerância ao risco, por exemplo.  

A estratégia definida deverá considerar essas variáveis para fundamentar as decisões do investidor, direcionando seu comportamento e suas escolhas. 

A importância das estratégias de investimento 

Ao seguir uma estratégia o investidor concentra seus esforços e seu foco, ganha tempo para estudar as possibilidades mais adequadas as suas necessidades e ao seu momento, decidindo com mais facilidade quais tipos de ativos deve incluir em sua carteira de investimento. 

O investidor que tem sua estratégia de investimento clara e documentada faz escolhas com critério. Evita que a emoção tome conta das decisões em cenários de crise ou de baixa no mercado, preserva-se da influência de notícias sensacionalistas, se resguarda dos humores e volatilidade das bolsas de valores. 

É, desta forma, que uma boa estratégia de investimento ajuda a reduzir riscos, ampliar o potencial de ganho e fazer seu plano de investimento acontecer independente do cenário econômico.  

4 Passos para escolher uma estratégia de investimento 

Até aqui compartilhamos com você algumas informações elementares sobre estratégias de investimentos, que devem ter esclarecido e desmistificado um tanto de comportamentos preconcebidos por muitos de nós.  

As fórmulas engessadas que a maioria dos investidores iniciantes busca, simplesmente não existem. E quem um dia pensou em investir seguindo tendências já deve ter assimilado que esta não é a forma mais indicada de conduzir suas aplicações. 

Então, por onde e como começar? A gente não ia deixar você sem essa resposta. Confira agora, em 4 passos, a trilha indicada para que você amadureça e defina sua própria estratégia de investimento. Vamos lá! 

1. Entenda o motivo pelo qual quer investir 

Descobrir o motivo ou as várias razões pelas quais você quer investir é uma etapa fundamental do seu planejamento financeiro e também de sua estratégia de investimento.  

Seu objetivo pode ser a compra de um bem de grande valor, uma viagem, uma reserva financeira para os estudos de seus filhos ou sua aposentadoria, por exemplo. Cada meta deve ser priorizada com níveis de urgência. Lembre-se também de determinar um valor para cada investimento.  

Justificar suas necessidades exige que você faça uma reflexão de suas prioridades, seus valores, medos e desejos. Esta etapa é, além de tudo, terapêutica. Um processo de autoconhecimento e de planejamento de vida. É curioso como a educação financeira pode proporcionar este exercício de consciência, reconhecimento e organização. 

Quem diria que a lista das coisas mais importantes de sua vida poderia sair da sua estratégia de investimentos, não? 

2. Defina um prazo de investimento 

Por quanto tempo seu dinheiro deverá ficar investido para determinado fim? Qual a previsão para o resgate? Classificar os objetivos na régua do tempo – curto, médio e longo prazo – é uma das formas de organização possíveis.  

Quanto mais preciso você for nesta previsão, mais assertivo será na escolha do investimento a fazer. A seguir vamos conduzi-lo a um racional para ajudá-lo na relação prazo de investimento e ativos. 

Investimentos de Curto Prazo: o foco para o curto prazo são ativos pouco voláteis e com alta liquidez, se possível, até diária. Nada de correr o risco de perder dinheiro com carência aqui 

Investimento de Médio Prazo: ativos um pouco mais expostos a risco, mas ainda com o foco maior em preservação de capital

Investimento de Longo Prazo: ativos mais voláteis e com uma maior exposição a risco são adequados para longos horizontes temporais. Como estão sujeitos a incertezas não faz sentido aloca-los para objetivos de curto prazo. 

Quanto maior for o prazo de seus investimentos, maior será a incidência dos juros compostos nas suas aplicações. 

3. Defina sua tolerância em assumir riscos 

Quando falamos em assumir risco, estamos nos referindo a perda de dinheiro num determinado tempo. Todo tipo de investimento oferece algum risco, em maior ou menor grau, sendo ele diretamente proporcional as taxas de retorno (quanto menor o risco, menor a taxa de retorno / quanto maior o risco, maior a taxa de retorno). 

Sua capacidade de assumir risco é uma relação entre sua condição financeira, seu horizonte de investimento e seu objetivo de retorno. Quem está passando por uma condição financeira desfavorável não tem elevada capacidade de assumir risco. Quem já sabe que vai precisar de um recurso investido num período breve, idem. 

A definição de “tolerância em assumir risco” traz uma nuance, em relação à anterior, significando sua aceitação ao risco em contrapartida a possibilidade de maior retorno.  

Teorias à  parte, a melhor forma de perceber esse nível de resistência é imaginar percentuais de sua carteira se desvalorizando em determinado período. Seu sentimento e reação a este exercício de perda irá posicioná-lo numa classificação que está intimamente ligada ao nosso quarto e último passo: o perfil de investidor. 

4. Descubra qual é o seu perfil de investidor 

O seu perfil de investidor está diretamente ligado a sua tolerância a riscos. Normalmente existem três perfis definidos: 

  • Conservador: Avesso a riscos, procura o máximo de segurança e não aceita volatilidade na sua carteira de investimento. Mesmo que deixe de ganhar, sua principal intenção é não perder.
  • Moderado: Aceita alguma parcela de perda em detrimento de ganhos acima da média no médio e longo prazo. Não costuma correr risco no curto prazo. Possui a maior parte dos investimentos em renda fixa e uma pequena parte em variável de longo prazo.
  • Agressivos : Tem mais experiência e tolera a volatilidade da renda variável. Não se importa com oscilações no curto e médio prazo. Buscam retornos acima da média e sabe lidar com perdas e riscos.

Os investidores com estratégias mais agressivas, visam investimentos com um maior retorno a longo prazo.

E então? Já consegue ter uma percepção de qual é o seu perfil de investidor?

Com esses 4 passos você é capaz de estruturar as reflexões essenciais  para montar sua estratégia de investimento e dar forma a postura que vai adotar como investidor.  

Cada passo é fundamental para você investir corretamente e fazer seu dinheiro render. Agora que você já conhece os principais passos para montar uma estratégia de investimento adequada ao seu perfil, é hora de começar, tenha um excelente jornada!  

Gostou do artigo? Leia também:

Confira, no vídeo abaixo, quais investimentos são afetados pela Taxa Selic:

Publicado por Paula Lopes

Paula Lopes possui mais de 12 anos de experiência em curadoria e produção de conteúdo, gestão de canais, implantação de plataformas digitais, campanhas de engajamento e eventos motivacionais para o público interno de empresas de diferentes segmentos e portes.

Deixe seu comentário