O que analisar na hora de assinar um plano de previdência privada?

Por Diana Dantas

A previdência privada costuma ser um pouco complicada de se entender. Depois de aprender o básico – os planos e as tabelas, comuns a todas as instituições – é importante identificar os detalhes que podem fazer a diferença. Esses pormenores mudam de operadora para operadora. Por essa razão, recomenda-se pesquisar quais oferecem as melhores condições. Para tal, porém, é preciso saber o que perguntar. Adiante, vamos mostrar quais as particularidades são relevantes na hora de assinar um contrato.

Taxas

Taxa de administração

A taxa de administração é a taxa anual cobrada diariamente sobre o patrimônio aplicado no fundo.

Taxa de carregamento

Esse encargo é abatido em todo o aporte depositado. Digamos que um contratante coloque mensalmente R$ 100 na previdência. Se a instituição recolher 5%, apenas R$ 95 vão render. Contudo, não são todas as empresas que o cobram. Por isso, fique alerta à existência da tarifa, na hora de fazer a pesquisa.

Rentabilidade

Cheque o histórico

Além de conhecer o valor cobrado em cada taxa, aconselha-se a verificar o histórico de rentabilidade do fundo em que a previdência privada está aplicada. Vale lembrar que as rentabilidades dos fundos já são divulgadas líquidas da taxa de administração. É sempre interessante analisar o rendimento a longo prazo.

Caso o fundo ainda não tenha muito tempo desde seu início, é interessante verificar o desempenho da gestora ou da estratégia em geral. Quanto maior o histórico, melhor.

É preciso sempre estar ciente, no entanto, que um fundo rentável hoje não, necessariamente, será amanhã. Se, por exemplo, o produto contiver ações de uma empresa, que  começa a enfrentar uma crise, o rendimento pode cair bastante, independente da solidez atual.

Os detalhes parecem muitos, mas como um pouco mais de estudo sobre o tema, é possível fazer um plano de previdência privada realmente vantajoso. Assim, assegurando os rendimentos almejados, de acordo com objetivo de cada um.

Publicado por Diana Dantas

Formada pela PUC-Rio, Diana Dantas passou por diferentes redações, como O Estado de S. Paulo, Agora SP (Grupo Folha) e Brasil Econômico (Grupo Ejesa). Nesse período, trabalhou nas editorias de Educação, Cidades, Cultura e Economia. Desde de 2017, escreve para Icatu sobre seguros e planejamento financeiro.

Deixe seu comentário