Longevidade segura! Como se preparar para chegar lá?

Por Diana Dantas

No Brasil, a população de idosos passou de 9,7%, em 2004, para 14,4%, em 2017, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. A estimativa também prevê que, em 2060, esse número vai chegar a 33,7%, sobrecarregando ainda mais o sistema previdenciário brasileiro.

O tema da terceira idade, em geral, é debatido da seguinte forma: “o que o governo precisa fazer pela gente?” Sim, o Estado tem obrigação de cuidar da melhor maneira possível dos brasileiros, principalmente, aqueles em situação de maior vulnerabilidade. Os cidadãos, contudo, precisam também desenvolver a consciência de que o seu futuro e o seu bem-estar estão nas próprias mãos. Há muitas alternativas no mercado que oferecem uma longevidade financeiramente segura.

 

Quais são elas e como colocá-las em prática?

O primeiro passo pode ser divertido. Imagine o que gostaria de fazer na terceira idade. Por exemplo, viajar, curtir os netos, abrir um novo negócio ou praticar algum hobby. As possibilidades são infinitas. Em seguida, comece o verdadeiro dever de casa: calcule o quanto é necessário economizar por mês para garantir essa vida ideal.

Uma das formas de fazer uma estimativa é visitar o Simulador de Renda da Aposentadoria da Icatu. Lá, pode-se ter uma estimativa de quanto precisa poupar com a finalidade de realizar seus sonhos. Caso o valor seja muito alto, não se assuste. Comece com o quanto der para contribuir por mês e vá aumentando se possível.

Aplique esse valor em algum investimento de longo prazo. A previdência privada, na tabela regressiva, pode ser uma boa alternativa, pois a alíquota do Imposto de Renda é definida de acordo com o tempo de contribuição. Dessa forma, após de dez anos de pagamento, a taxa cai para apenas 10%. Além disso, é possível receber a quantia investida em forma de renda mensal, como um complemento ao benefício do INSS.

Para melhorar, caso o cliente contrate um PGBL, a previdência privada ainda oferece a vantagem de um diferimento fiscal de até 12% aos declarantes do formulário completo do IR. Isso dá oportunidade de economizar ainda mais para a aposentadoria.

Os contratantes do VGBL, normalmente declarantes do formulário simples, não têm o direito ao desconto. Em compensação, na hora do resgate, o imposto incide somente sobre o rendimento e não sobre a renda toda, como é no caso do PGBL.

Outra dica importante para ter uma longevidade mais segura é fazer um seguro de vida. Os termos “longevidade” e “seguro de vida” parecem não combinar na mesma sentença, não é mesmo? Só parece. As apólices, atualmente, oferecem inúmeras coberturas, como a de Doenças Graves e a de Invalidez Permanente Total ou Parcial por Acidente. Elas podem ajudar com as despesas domésticas e até com tratamentos médicos, prolongando a vida e a recuperação do paciente. Se uma fatalidade, porém, ocorrer, a indenização ainda auxilia a família a seguir adiante com o conforto financeiro necessário.

Essas dicas devem ser colocadas em prática o mais cedo possível. Isso porque, na previdência privada, o tempo de contribuição é essencial para alcançar o valor almejado. No seguro também, pois é preciso estar saudável para se adquirir uma apólice. Ao seguir essas dicas, a longevidade realmente fica assegurada, mesmo que a vida não saia conforme o previsto.

 

 

Publicado por Diana Dantas

Formada pela PUC-Rio, Diana Dantas passou por diferentes redações, como O Estado de S. Paulo, Agora SP (Grupo Folha) e Brasil Econômico (Grupo Ejesa). Nesse período, trabalhou nas editorias de Educação, Cidades, Cultura e Economia. Desde de 2017, escreve para Icatu sobre seguros e planejamento financeiro.

Deixe seu comentário