Como organizar o orçamento familiar? 4 dicas imperdíveis!

Por Diana Dantas

Antes de ler o artigo, baixe uma planilha de controle doméstico para organizar o seu orçamento familiar.

Confira também, no vídeo abaixo, como organizar o orçamento familiar:

A famosa frase “não está fácil para ninguém” tornou-se quase um mantra em tempos de crise, e a internet, claro, fez o favor de transformá-la em diversos memes, que alegram o nosso cotidiano.

Apesar da “zoeira” virtual, a realidade, hoje em dia, é essa mesma. Uma grande parte das pessoas precisou apertar o cinto e aprender como organizar o orçamento familiar nos últimos anos, para tentar sobreviver – uma situação nada engraçada.

Segundo uma pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), houve um crescimento de 0,6% de famílias endividadas no Brasil, em 2017, resultando em uma média de 60,8%. É a primeira alta depois de três anos seguidos de queda.

Ainda,  o número de famílias com contas e dívidas em atraso também chegou à média anual de 25,4%, um aumento de 1,2%, em relação a 2016.

Planejar e organizar o orçamento familiar e toda a vida financeira deveria fazer parte da rotina de todos – mesmo em época de abundância. Diante de um cenário como esse, no entanto, torna-se ainda mais evidente a necessidade de colocar no papel (ou em uma planilha) a melhor forma de sair dessa situação adversa.

Por isso, a seguir, vamos dar dicas de como organizar o orçamento familiar, para que você não seja pego de surpresa quando as crises chegarem.

1. Orçamento familiar: um passo de cada vez

Formular um bom orçamento familiar parece fácil dizer, mas difícil colocar em prática? Então, comece devagar. Escolha um horário conveniente a todos na casa, para fazer uma reunião.

Nesse momento, apresente a necessidade da conversa e mostre as vantagens de se fazer um orçamento doméstico que seja comum a todos. Siga os passos a seguir:

1- Cada um deve mostrar os seus próprios gastos e receitas;

2- Avaliem o que pode ser cortado, reduzido e otimizado;

3- Anote as despesas fixas e o valor médio das variáveis dos integrantes.

Além de considerar o curto prazo, recomenda-se pensar no longo também, com a finalidade de ter uma reserva caso haja algum imprevisto em todo o orçamento familiar.

É essencial, contudo, também levar em conta os sonhos da família. Na conversa, fale sobre os objetivos individuais e gerais. Pode ser o pagamento de dívidas; a casa própria; a aposentadoria; o carro; a viagem; ou o que for conveniente para todos e caiba no orçamento familiar.

2. Metas de poupança e investimento para o orçamento familiar

O próximo passo para organizar o orçamento familiar é traçar metas de poupança e investimento, com a ideia de alcançar um objetivo em comum.

Para isso, tanto as metas quanto os objetivos devem ser bem claros e terem um prazo bem estabelecido. Assim, não se corre o risco de serem esquecidos ou interrompidos. Eles também devem ser flexíveis, ou seja, podem ser repensados.

Isso porque, há a possibilidade de surgirem oportunidades melhores ou, ainda, ocorrer algum imprevisto. Caso se tenha disciplina, a etapa final, claro, será a realização do seu sonho e o de sua família.

Desfrutar daquilo conquistado com esforço é uma das maiores recompensas da vida. Assim, melhor do que ganhar na loteria, é planejar um bom orçamento familiar e colher os frutos disso.

3. Evite desperdícios e gastos supérfluos

Para organizar um bom orçamento familiar é preciso ensinar as crianças desde cedo que economia e desperdícios não podem andar juntos.

A redução dos desperdícios gerais da sua casa é fundamental para aprender como organizar o orçamento familiar. É necessário contar com a diminuição de gastos desnecessários e, inclusive, das contas de energia e água.

Se a sua família tem o costume de deixar luzes acesas, demorar bastante no banho ou, até mesmo, desperdiçar comida, é importante que na reunião sobre a organização do orçamento familiar você aborde esses assuntos.

A colaboração de todos em relação aos desperdícios pode colaborar com a redução de gastos e, consequentemente, melhorar o orçamento familiar e doméstico.

Quanto aos gastos supérfluos, é importante apontar cada um deles na planilha de orçamento familiar. O que isso quer dizer? Você deve visualizar o quanto gasta mensalmente com jantares fora de casa, idas ao shopping ou qualquer outro gasto que não seja ligado totalmente as necessidades da família.

Visualizando quanto você gasta com questões supérfluas, é mais fácil se desligar delas. Porém, é importante lembrar que você e sua família não devem se privar de viver ou de aproveitar os fins de semana juntos, apenas devem repensar os gastos.

Se depois de todas essas sugestões, você ainda está querendo mais detalhes práticos para colocar seu plano de orçamento familiar em ação, talvez, seja importante se aprofundar no assunto.

4. Curso online e gratuito sobre orçamento familiar!

No curso online “Como Organizar o Orçamento Familiar”, desenvolvido pela Icatu Seguros, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), há a oportunidade de fazer aulas gratuitas, de início imediato.

Aos participantes, três módulos serão apresentados: planejamento; orçamento e controle; e educação. As dicas dadas neste texto estão lá, além de muitas outras, como, por exemplo, a liquidação de dívidas ou a realização de um plano de emergência. É fácil, grátis e pode dar uma guinada na sua vida.

Gostou do artigo? Aproveite e leia também sobre controle de finanças!

Publicado por Diana Dantas

Formada pela PUC-Rio, Diana Dantas passou por diferentes redações, como O Estado de S. Paulo, Agora SP (Grupo Folha) e Brasil Econômico (Grupo Ejesa). Nesse período, trabalhou nas editorias de Educação, Cidades, Cultura e Economia. Desde de 2017, escreve para Icatu sobre seguros e planejamento financeiro.

Deixe seu comentário