Como desenvolver inteligência financeira? Saiba mais!

Por Alessandra de Paula

Talvez você já tenha ouvido falar sobre inteligência financeira e até mesmo se perguntado: “será que tenho inteligência financeira?”. Nesse artigo, vamos ajudá-lo  a entender melhor esse assunto.  

Afinal, o que é inteligência financeira?  

Foi o psicólogo Howard Gardner que apresentou ao mundo a ideia de que existem vários tipos de inteligência. Em 1983, ele lançou o livro Frames of Mind: The Theory of Multiple Intelligences.  

De acordo com os estudos do especialista, nenhum tipo de inteligência é superior a outro, mas cada pessoa precisa aprimorar o que tem de melhor em si mesmo. E será que dá para aprender a lidar melhor com o dinheiro? Esse é o desafio de quem se propõe a ser mais inteligente financeiramente.  

O empresário americano Robert Kiyosaki foi um dos primeiros a falar sobre o conceito de inteligência financeira no livro Pai Rico, Pai Pobre – O que os ricos ensinam a seus filhos sobre dinheiro, lançado em 1995. 

De acordo com Kiyosaki, a inteligência financeira está baseada em quatro pilares:  

  1. Alfabetização financeira – Habilidade de entender os números;  
  2. Estratégias de investimento – Faça o dinheiro trabalhar para você; 
  3. Mercado – Entenda a oferta e a demanda; e 
  4. Lei – Conheça as leis que dizem respeito à contabilidade e aos negócios. 

Você já percebeu por qual caminho deve seguir, não é mesmo? Vamos saber mais sobre o assunto.   

Características da inteligência financeira 

Algumas pessoas já tomam essas atitudes e têm essas características naturalmente, porém, não se preocupe, pois por meio da educação financeira, é possível aprimorar essas habilidades. Confira, a seguir, algumas dicas simples que podem fazer a diferença nas suas finanças: 

  • Se planeje – evite comprar por impulso. Avalie sempre as reais necessidades de adquirir um produto e pesquise bastante antes de cada compra; 
  • Poupe – economize para ter uma reserva em caso de necessidade; 
  • Tenha disciplina – seja perseverante e cumpra seu planejamento; 
  • Organize suas finanças – adquira hábitos mais econômicos, evitando, assim, gastos desnecessários e desperdícios.  

Quer aprender mais sobre educação financeira familiar? Clique aqui! 

Agora que você já sabe o que é e conhece algumas características da inteligência financeira, que tal conferir quais são os benefícios para quem desenvolve essa habilidade? Acompanhe!

Os benefícios para quem desenvolve inteligência financeira  

Quem segue o planejamento financeiro tem mais chances de economizar. No entanto, as pessoas que não aprenderam ainda a lidar com o dinheiro de forma inteligente, muitas vezes, são obrigadas a recorrer a empréstimos, cartão de crédito e até cheque especial.  

Com inteligência financeira, a vida pode melhorar em vários aspectos, inclusive no que diz respeito à saúde. Como caminhar, por exemplo. Além de ser um ótimo exercício, pode ser uma forma de economizar, caso a distância não seja tão longa.  

Cozinhar em casa também pode ser uma ótima opção e uma maneira de se alimentar melhor, evitando, assim, gastos com restaurantes. Ou seja, a inteligência financeira te ajuda a sair ganhando, tanto na rotina diária, quanto no futuro.  

7 passos para desenvolver inteligência financeira

Ter inteligência financeira é essencial para equilibrar a sua vida e manter a saúde física e emocional bem.

Adote algumas práticas no dia a dia e veja como sua vida financeira vai mudar, te dando mais alegrias do que preocupações: 

1. Mude hábitos de consumo 

É muito importante refletirmos antes de comprar algo. Especialmente se for algo caro. É um item indispensável? Deve ser adquirido nesse momento? Geralmente trabalhamos várias horas por dia para termos nosso dinheiro ao final do mês. É fundamental analisar antes de gastá-lo.  

2. Planeje gastos por período 

Faça anotações de seus gastos. Isso ajuda a saber para onde vai o dinheiro. Identifique o que você precisa pagar todos os meses, como despesas de luz, gás, telefone… Fique atento aos pequenos gastos, que podem fazer seu dinheiro sumir sem você nem perceber.  

3. Evite compras no crédito 

Reflita se usar cartão de crédito é realmente vantajoso. Quando a loja não oferece desconto na compra à vista e não cobra juros pelo parcelamento, é possível até pensar em usar o crédito. No entanto, é fundamental saber controlar esses gastos para não virar uma bola de neve.  

4. Controle as finanças 

Com uma planilha de controle de gastos, é possível ver com mais clareza a quantas anda sua vida financeira. Dessa forma, poderá saber, de verdade, o quanto tem de receita e de despesa e quanto sobrou, para que possa direcionar esse dinheiro aos investimentos. Com a planilha de controle financeiro da Icatu, vai ficar mais fácil você administrar seu dinheiro.  

5. Defina metas e objetivos 

Estabeleça metas a curto, médio e longo prazos. Os objetivos devem ser avaliados periodicamente, até porque a vida muda, a situação do país também. E, claro, mais uma vez, tenha disciplina para cumprir seus projetos.  

6. Poupe 

Poupar é um hábito que todos deveriam adquirir. Isso evita até desgastes em família, já que problemas financeiros podem abalar as relações. De acordo com pesquisa realizada pelo SPC Brasil, cerca de 46% dos casais brasileiros brigam por questões financeiras.  

Sem poupar, a vida financeira pode ficar em risco, já que, na hora da necessidade, muita gente acaba apelando para produtos cujos altos juros podem abalar as finanças.  

7. Invista 

Poupou dinheiro? Então invista! Mesmo que a quantia não seja grande, você vai adquirindo o hábito e se familiarizando com o mercado financeiro.  

Pesquise bastante antes de investir, avaliando a si mesmo para descobrir que tipo de investidor você é. Saiba mais sobre os tipos de investidores. 

Esperamos que tenha aproveitado as dicas sobre como adquirir mais inteligência financeira. Sabemos que o desafio não é fácil, mas o esforço vale a pena

Leia também:  

Publicado por Alessandra de Paula

Alessandra de Paula tem mais de 15 anos de experiência em produção de conteúdo e pesquisa jornalística. Integrou a equipe de Comunicação do Ministério da Cultura, e trabalhou em grandes empresas do Rio de Janeiro, como O Globo, Extra, Jornal do Brasil, Jornal do Comercio, CDN, In Press e SRCOM, realizando diversas coberturas, incluindo Olimpíadas e Paralimpíadas Rio 2016, e Réveillon de Copacabana. Também produziu conteúdo para sites da Rede Globo.

Deixe seu comentário